Quer ler o que?

sábado, 12 de junho de 2010

Natureza Morta

O sangue escorria pelas luvas e gotejava nos sapatos de veludo. Ela olhava para o corpo com os pés atados no lustre e os cabelos quase tocando o chão. O cadáver nu tinha um corte na garganta e um caminho fresco de lágrimas por entre as sobrancelhas. A boca entre aberta deixava vazar o sangue ainda quente.

Era uma obra de arte. Ela segurou a faca, marcada com as digitais da vítima, apontando pra baixo ao lado da mão dependurada, e deixou cair. Pegou a câmera, tirou duas fotos e escondeu a máquina e as luvas dentro da tábua solta do assoalho. Pegou o telefone, embargou a voz e discou.

- Departamento de Polícia, qual a emergência?
- Su - su... suicídio. – Disse com a voz fingindo desespero.

Nenhuma lágrima escapava dos olhos ainda observando o cadáver.

- Quem é a vítima?
- Minha mãe.

10 comentários:

  1. Ela vai ser pega. Situação muito imporvável de suicídio.

    E depois eu é q tenho problemas com os meus temas, heheheheheh !!!!
    Adoro suas descrições!

    ResponderExcluir
  2. Corte na garganta? Podia ser nos pulsos. Ela vai ser pega.

    Adorei o conto.

    ResponderExcluir
  3. Tambem acho! hahah eu ate pensei em incluir uma escada levando ate o lustre hahaha

    ResponderExcluir
  4. Gosto dos seus contos. Mas tenho medo de você.

    E estou com a galera aí de cima, suicídio não é a hipótese mais provável...

    ResponderExcluir
  5. TADINHA DA VÉIA...
    beijão jullia

    ResponderExcluir
  6. Vai ser pega? Tanto faz. O conto é sobre o momento da farsa, não a consequencia, hehe.

    Ótimo conto.

    ResponderExcluir
  7. Olha! Mudou tudo aqui! Que massa!

    ResponderExcluir
  8. Gente!!!! Eu sou a mãe e isso muda tudo e invalida todos os comentários hahahahaha

    ResponderExcluir
  9. O final de um conto é algo incrível: Se for bom, apenas concretiza o fato de o conto ser bom. Se for ruim, acaba com tudo, independente de o resto ser bom. O seu final muito legal.

    ResponderExcluir

Receber comentário anônimo não faz sentido. Assinem!