Quer ler o que?

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Hoje

Sento e tento compor uma linha, uma história. Nada me satisfaz. As palavras me fogem, os sinônimos me escapam. A poesia não existe. Então me ocorre a possibilidade das minhas palavras já estarem escritas, minhas frases já estarem formadas e minhas rimas, que não existem, ja estarem rimadas. E se a fonte secou? A nascente morreu? E se o prazer de traduzir em palavras as coisas que penso, que sinto, foi me tirado do mesmo modo que do desespero se tiraria o grito? Hoje me sinto muda.

7 comentários:

  1. Júlia, Júlia, Júlia,

    Padeço desse medo essencial. Medo da mudez. Todo dia reviro minhas tripas para não deixar que as palavras sequem.

    Na realidade (compreendi depois de muita luta), as palavras são como a maré. Ora cheia, ora vazante.

    Se formos espertos atracamos nossos navios em lugar onde não encalhem na maré baixa.

    Mas não se assuste. Não é silêncio definitivo, é interregno.

    Força na peruca.

    Super beijo.

    ResponderExcluir
  2. Filha, nunca, nada em vc secara. Concordo plenamente com o Agnaldo: nao e definitivo, e interregno.
    De qualquer forma, o texto e sempre bom.
    Te amo. beijo

    ResponderExcluir
  3. Ralaxa querida as palavras voltam, acredite nos mais velhos ;).
    Talvez você precise se sentir em casa novamente, ou talvez você não precise de absolutamente nada e o blog antigamente supria essa ausencia. Ou talvez eu não esteja falando nada que faça sentido (hipótese mais provável).

    Gostei do layout novo, de qualquer forma.

    ResponderExcluir
  4. Hoje, também não vou escrever nada. Inspiração zero, acho que tirou férias.

    ResponderExcluir
  5. A fonte não seca, a inspiração não acaba. Tudo é passageiro, inclusive o silêncio. O tempo também sofre com o tédio. As coisas acontecerão no momento certo. Se não acontece é porque não é o momento. Ou é o momento, mas para não acontecer. O que é oculto é apenas o propósito de tudo isso.

    ResponderExcluir
  6. Ás vezes também me sinto assim.

    ResponderExcluir
  7. Dê um tempo pra isso,depois volta ao normal,perdoe pela piada infame,mas acho que lhe vale:
    "tudo na vida passa,até uva-passa"
    enfim,bela.
    abraço !

    ResponderExcluir

Receber comentário anônimo não faz sentido. Assinem!