Quer ler o que?

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Formandos 89

Chegou na festa já tropeçando na porta e atingindo um convidado. Se desculpou pela bebida derramada, e foi de encontro aos antigos amigos. Não reconheceu ninguém. Passou então, a observar a decoração.

Uma mesa comprida com baguetes em quatro sabores diferentes, e ao fundo uma faixa branca que dizia “Formandos – Turma de 89” em letras garrafais vermelhas. Pegou uma taça do garçom que passava e foi admirar o mural de fotos da formatura. O mural ocupava a parede por quase toda sua extensão. Milhares de fotos. Se achou em três. Uma sobreposto por uma mão, outra com as cinco turmas reunidas, e a última de fundo em uma foto de seis amigos que ele não lembrava de ter visto algum dia.

Sentia que não devia ter ido, afinal não via ninguém a 20 anos, e isso não mudara em nada sua vida. Mas a Dra. Helena, psicóloga, disse que seria um bom exercício para que se treinasse a paciência, e para que se abandonasse o excesso de sinceridade que seu chefe mandara tratar.
Os colegas o indicaram a psicanálise com o intuito de transformá-lo em alguém mais delicado. Menos direto. Sua resposta foi que, para que ele não fosse “rude”, como o chamavam, bastava que as perguntas a ele dirigidas fossem pertinentes.

Sentiu uma mão lhe cutucando as costas e se virou com o intuito de sorrir.

- Olá, você não é o João Paulo?

- Sou!

- ...

- Ana Maria?

- Não! Carla..!

- Claro!

- Quanto tempo! – A moça sorriu espontâneo.

- Pois é! – Ele sorriu amarelo pronto.

- E o que anda fazendo de bom? – Essa pergunta, por exemplo, não era pertinente. Era vaga, impessoal e não demonstrava real interesse. Mas ainda sorrindo amarelo respondeu:

- Trabalhando. Muito. – Se recusava a perguntar “e você?”, mas a hora da psicanálise lhe custava cem reais. Então mordeu os lábios relutante. - E você?

- Me formei, logo em seguida me casei e hoje cuido das crianças!

- Está satisfeita?

- Muito! Você se casou?

- Não, ainda não tive a oportunidade – Oportunidade que sinceramente ele dispensava. Se
acreditava muito melhor sozinho.

- Então não teve filhos?

- Não. – Outra pergunta incoerente. Trabalhando sua educação: - E você?

- Tive filhos maravilhosos! Dois. A Maria Alice, que hoje tem 9 anos, e o João Pedro, que hoje
tem 7.

- Que bom! - Se as pessoas daquela reunião se formaram a vinte anos, e o filho mais velho dela tinha 9, o que ela teria feito nos onze anos de intervalo?

- São uns amores! Quer ver uma foto?

- Não precisa. Quer vinho? – Não gostava de fotos de família. Ainda mais se a família não fosse dele. Talvez o que mais o irritasse fossem os sorrisos amarelos prontos.

- Parei de beber logo depois da formatura.

- Parou porque? – Talvez tivesse feito isso durante os onze anos. Parado de beber através de psicologia pesada. Pelo vago que se lembrava de Carla, a última vez que a vira antes da festa foi de sutiã na mesa dos professores na noite de formatura.

- O Jorge não gosta. Conhece o Jorge?

- Acho que não. – As sessões de psicologia lhe diziam que ele deveria perguntar pelo Jorge. E por cem reais perguntou: - Ele está por aqui?

- Sim! Vai ser um prazer para ele ! Jorge! Jorge! Venha cá. Ele te mostra uma foto dos dois!

- Sinceramente, não precisa.

Um homem com a coluna curvada de cansaço se aproximou segurando uma taça de vinho tinto. Bebeu três dedos de vinho em um gole só, e esticou a mão para cumprimentá-lo.

- Mostra uma foto dos meninos pra ele Jorge!

O homem pegou a carteira do bolso e tirou duas fotos de dentro da repartição de documentos. Estendeu a João Paulo, que com desprazer observou.

Ambas eram 3x4, todos ficam feios em fotos 3x4. Mas aqueles dois eram magicamente bonitos. A menina tinha sardas e era levemente ruiva, do tipo irritante e indecifrável. O garoto usava um cabelo provavelmente amassado pelo boné, e uma expressão de traquinas. Ambos com olhos redondos e cor mel.

- Não são umas graças? – A mulher sorriu.

Ele pensou no pessoal do trabalho, na psicóloga, e nos cem reais por sessão. Respirou e respondeu:

- Não.

Ele realmente não achava.

Virou de costas e pôs-se a procurar por fotos suas no fundo de fotos dos outros.

4 comentários:

  1. Flávia Letícia3 de junho de 2009 11:41

    Olá, Jullia.
    Trabalho na THS - Editora, editora gerenciada pelo jornalista e historiador Lelé Arantes. Recentemente, li uma nota no Diário da Região sobre sua crônica "Glote". Gostaríamos muito de tê-la em nosso mailing. Por gentileza, se possível, retorne o contato.

    By the way - seus textos são muitos interessantes.

    ResponderExcluir
  2. Flávia Letícia3 de junho de 2009 11:42

    Meu e-mail é: flavialeticia.souza@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Ia fazer um comentário, mas depois desses aí em cima me recuso.

    ResponderExcluir
  4. Osvaldo

    Caramba Jullllia...
    não sabia que você escrevia tão bem assim...
    juro que fiquei admirado e impressionado com seus textos.
    Confesso que não li todos...
    mas os 3 que eu li.. gostei muito...
    Parabéns...

    beijos

    ResponderExcluir

Receber comentário anônimo não faz sentido. Assinem!